clube de jazz  
 
agenda notícias store
 
o jazz jazz brasil ao vivo galeria
 
 
colunas
perfil
eventos
lançamentos
entrevistas
acorde final
 

Mehmari vai lançar três discos em 2016

O pianista e compositor André Mehmari é um dos maiores talentos da atual música instrumental brasileira. E para o deleite dos amantes da música de qualidade, em entrevista a 'O Tempo', ele acena com três lançamentos: dois em parceria, com Danilo Brito e com Antônio LOureiro e o outro, uma continuação de 'Ouro sobre Azul', em cima da obra de Nazareth.

André Mehmari, Danilo Brito e Antônio Loureiro.

10/12/2015 - Lucas Simões, jornal 'O Tempo', 10/12/2015

Compositor apto a improvisações e criações harmônicas experimentais desde os 13 anos, André Mehmari começou a produzir uma rica discografia a partir do fim da década de 90. De lá para cá, ele lançou nada menos do que 17 discos de estúdio.

É comum na minha trajetória ter algo como dois discos por ano. Sinto a necessidade de gravar o que estou compondo porque muita coisa acaba se perdendo. É preciso registrar tudo, absolutamente, para termos referências daqui a alguns anos também. Sou de uma geração que pensa no futuro como passado também, diz o compositor, que ultrapassou uma centena de músicas gravadas em discos, incluindo as cerca de 40 participações que acumula em álbuns de terceiros, como Maria Bethânia, Ivan Lins e Rômulo Fróes.

Mantendo essa velocidade em gravar suas composições, Mehmari prepara para o ano que vem três novos discos. Um dos principais é o segundo volume do elogiado “Ouro Sobre Azul” (Tratore, 2014), só com músicas do pianista Ernesto Nazareth (1863–1934), um dos principais nomes do choro brasileiro.

A obra dele mexeu muito comigo e tive um bom retorno de público, muita gente gostou e pediu uma nova edição. Já tenho algumas coisas pensadas para levar ao estúdio, até mesmo sobras da experiência do primeiro, diz Mehmari, que ainda não escolheu nome e data para o lançamento.

Além disso, o compositor também vai gravar em álbum uma série de parcerias com o bandolinista paulista Danilo Brito, referência do choro contemporâneo ao lado de Hamilton de Holanda, e com quem Mehmari se apresenta constantemente em formato de duo, revistando temas de Zequinha de Abreu, Anacleto de Medeiros e Garoto, por exemplo. Para o disco, eles ainda não fecharam um repertório, mas conversam sobre as possibilidades de música autoral.

O Danilo lançou um disco homônimo ano passado, bem popular, o primeiro dele autoral, e é um dos caminhos que devemos seguir também, diz Mehmari, sem revelar para quando o projeto está previsto.

Outra parceria recente de André Mehmari, desta vez com o multi-instrumentista paulista Antonio Loureiro, também vai ganhar uma gravação em estúdio. Os dois se apresentaram juntos pela primeira vez em maio deste ano, no Sesc Pompeia, em São Paulo, pela série “Encontros Musicais”. Desde então, mantiveram uma agenda com outros concertos espaçados pelo Brasil, mas agora decidiram transformar a formação de piano e vibrafone em álbum.

Fizemos muitas jam sessions nesse formato, que nos agrada demais. Além disso, produzi alguns trabalhos com o Antonio e quero explorar essa vertente com ele entre o jazz e a música de concerto, só que a partir do vibrafone, o que não é tão usual assim, revela Mehmari.

ORQUESTRAS

Ao mesmo tempo em que vai se concentrar na gravações de pelo menos três discos a partir de janeiro, André Mehmari já recebeu sua primeira encomenda para orquestras em 2016. Ele vai elaborar uma nova composição para a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). Esta será sua segunda obra para o grupo sinfônico, depois de “Suíte de Danças Reais e Imaginárias”, composta em 2005.

O que sei até agora é que haverá uma instrumentação bem maior do que a primeira obra que compus para a Osesp. A peça em si também será grande e isso será desafiador, diz Mehmari.

Topo da página | Envie a um amigo | Voltar para Jazz news

 
copyright clube de jazz 2004  
cadastre-se   termos de uso   contato   sobre nós