clube de jazz  
 
agenda notícias store
 
o jazz jazz brasil ao vivo galeria
 
 
colunas
perfil
eventos
lançamentos
entrevistas
acorde final
 

Passos certos na batida de Gabriel Lisboa

Uma das maiores gratificações do meu trabalho aqui no Clube de Jazz é conhecer talentos e disponibilizar o site como mídia de divulgação para esses instrumentistas. Esse é o caso do baterista Gabriel Lisboa, que reside em Nova Lima na Grande BH e me enviou seu primeiro trabalho "Quinze Passos". O passo seguinte depois de ouvir a sua música foi contatá-lo para uma entrevista, que agora está disponível a todos que curtem a grande música instrumental brasileira.

28/09/2015 - Wilson Garzon

Wilson Garzon - Porque a escolha da bateria? A escola Pro-Music foi decisiva na sua formação?

Gabriel Lisboa - Comecei tocando teclado aos 10 anos e estudei aproximadamente por 8 meses, mas mudei de ideia quando um dia vi um rapaz tocando bateria numa reportagem. Lembro-me até hoje de ter dito imediatamente aos meus pais que a partir daquele dia queria tocar bateria. Meus estudos na Pro-music vieram bem depois, isso porque me formei na Dinilson’s Escola de Música em Nova Lima aos 16 anos, estudando com o professor e amigo Roberto Veintheimmer.

Alguns meses depois pintou o curso "jazz na bateria" na Pro Music com o Bo Hilbert e resolvi fazer a matrícula. Estudei poucos meses, uns sete aproximadamente; mas, por sorte também tive aulas com outros grandes bateristas como Antonio Loureiro, que é um querido amigo e uma grande influência.

WG - "Trio Minério de Ferro" era uma banda de jazz? Quem eram os músicos? A "Beira-Kaos" é de rock? Conte um pouco sobre "Crivo".

GL - O Trio Minério de Ferro foi um grupo experimental do meu amigo Walter Canuto, um ótimo violonista. Foi um projeto bastante curto, mas pude desenvolver-me bem na parte instrumental. Já o Beira Kaos é uma banda de pop rock na qual fui integrante por quase dez anos. Fizemos inúmeros shows, gravamos 2 discos, clipes, fomos premiados e tivemos muitos momentos inesquecíveis...é uma banda que ainda está em atividade e que tenho muito carinho.

Crivo é um projeto que tenho orgulho de fazer parte. Nossas músicas tem influências do pop, rock, improvisos e muita influência da regionalidade presente nas canções do nordeste. O Elton Raville, vocalista e violista do grupo veio da Bahia há alguns anos e dessa veia nordestina nos deu grandes possibilidades de explorar sons para suas composições. Em pouco tempo de criação já gravamos um disco, um DVD gravado na Sala Juvenal Dias do Palácio das Artes, e estamos divulgando nosso trabalho em casas de shows e festivais dentro e fora de BH. Para quem quiser conhecer a Crivo é só acessar o site e baixar gratuitamente nosso disco: www.crivomusica.com

WG - Qdo vc decidiu gravar "Quinze Passos"? Qto tempo levou para gravá-lo e mixá-lo?

GL - O nome "Quinze Passos" veio em 2013 quando havia completado 15 anos de carreira, estava envolvido com projetos instrumentais e minha relação com o piano foi se aproximando mais a cada dia. Sempre gostei muito de compor, sempre registrei minhas idéias. Daí comecei a pré-produção no meu home-studio, registrando o piano e bateria. Lancei o primeiro teaser do disco em 2014 mas o álbum foi lançado oficialmente em 20 de Junho de 2015. Fiz tudo sem pressa porque queria passar para as pessoas um trabalho que eu realmente acreditasse.

WG - Conte um pouco sobre as músicas do cd: quando foi criada, estilo e quem participa.

GL - Sou muito influenciado por compositores como Chick Corea, Antonio Loureiro, Avishai Cohen, Pat Metheny, Tigran Hamasyan, Ari Hoenig, The Bad Plus, Brad Mehldau, Dori Caymmi, Djavan, Gilberto Gil, Bebel Gilberto, entre outros, mas destaco que tive uma influência profunda pelo pianista Esbjorn Svensson e seu grupo E.S.T.

Gosto de misturar idéias numa mesma faixa, e quando componho não me preocupo com a estrutura da música, tonalidade, estilo, etc. Gosto de tocar, as idéias vão surgindo naturalmente, o "Quinze Passos" foi composto 100% assim. Contei com a participação de músicos e amigos de longa data:
os guitarristas Maicol Nunes e Cristiano Zaninni.
Leonardo Lopes, contrabaixo.
Robson Saquett, saxofone.
Deilson Silva, pianista que gravou a faixa "Sempre Assim".
E participação especial do Túlio Araújo, onde fizemos um duo de pandeiro e piano na faixa que abre o disco.


WG - Quais são seus próximos projetos? E quanto ao grupo "Fusão Música Instrumental?"

GL - O Fusão Música Instrumental é um projeto que está parado, mas felizmente contei com os mesmos integrantes para participarem do meu disco e que agora estarão comigo nos shows de divulgação do "Quinze Passos".

Pretendo continuar meus trabalhos como professor de música, compondo, me apresentando em diversos projetos e divulgando meu projeto autoral que felizmente está sendo muito bem recebido. Aproveito e convido a todos para o primeiro show que farei com meu quinteto divulgando o álbum "Quinze Passos": Dia 07 de Novembro (sábado), 23h00 no Bella Vista Espaço de Eventos em Nova Lima.


Internet

Site de Gabriel Lisboa - Venda de 'Quinze Passos

Quinze Passos - Teaser 1

Quinze Passos - Teaser 2

Quinze Passos - Making Off

Topo da página | Envie a um amigo | Voltar para Entrevistas

 
copyright clube de jazz 2004  
cadastre-se   termos de uso   contato   sobre nós