clube de jazz  
 
agenda notícias store
 
o jazz jazz brasil ao vivo galeria
 
 
colunas
perfil
eventos
lançamentos
entrevistas
acorde final
 

A grande passagem do Escalandrum pelo Rio

Munido de uma paixão pelo jazz e por sua grande alma portenha, Paulo César não deixou essa terça (08) passar em branco. Garimpou a passagem do sexteto de jazz argentino Escalandrum como atração da Bienal do Livro. Depois, fez para o Clube de Jazz, essa crônica musical emocionante, relatando o que assistiu e vivenciou nesse dia.

Daniel 'Pipi' Piazzolla, Nicolás & Martín, Fogiel, Sívori & Musso, Paulo com Musso & Nicolás e com Sívori.

10/09/2015 - Paulo Cesar Nunes

Ontem fui conferir a 17ª Bienal do Livro 2015, para garimpar biografias de músicos e assuntos correlatos como sempre faço há anos. O evento vai até dia 13/09, domingo próximo. Mas tive um outro motivo para a minha ida à Bienal nesta terça (08/09). É que no Café Literário iria se apresentar o sexteto argentino Escalandrum, um velho conhecido meu e do Clube de Jazz.

Os portenhos se apresentaram duas vezes no Miranda em agosto 2014 e julho 2015, e com esta apresentação de ontem no Rio Centro consolidaram junto ao público carioca o status de o mais importante nome do jazz portenho dos últimos anos. A nação homenageada na Bienal este ano é a Argentina, e o país vizinho preparou grandioso stand no qual além dos autores palestrantes um casal de dançarinos de tango se apresentou para delírio dos presentes.

Com presença e apoio do Consulado, da Embaixada e da Chancelaria Argentina, a única atração musical do Café Literário da Bienal não poderia ter sido melhor escolhida. O grupo Escalandrum acumula prêmios um atrás do outro e teve o álbum "Piazzolla Plays Piazzolla" indicado ao Grammy Latino em 2012. Este disco traz releituras da obra de Astor Piazzolla de forma bastante atrevida para formação jazzista, na qual a parte do bandoneon foi brilhantemente arranjada para o trio de sopros. Tudo isto já foi bastante comentado aqui no Clube de Jazz.

Mas, cada apresentação desta genial formação é um grande momento para os presentes. É puro deleite musical, e este trabalho é um marco em sua carreira e porisso sempre estarã de volta. Mesmo já tendo dois trabalhos posteriores, eles continuam correndo o mundo tocando a obra del "abuelo Piazzolla" como o neto Daniel carinhosamente se refere a Astor. Eles Se apresentaram em Paris, Roma, Espanha, Áustria, Dinamarca, Israel, América do Sul e fizeram uma série de apresentações em New York, são mais de 40 países.Portanto, o Escalandrum vem incluindo mais releituras em seus shows, cada vez mais apurados, cada vez mais envolventes, provocando um frisson incontido na empolgada platéia onde quer que se apresentem.

Posicionei-me numa mesa meio diagonal de onde teria uma ótima visão. O grupo chega pontualmente as 19h00. O baterista e mestre de cerimônias Daniel 'Pipi' Piazzolla anunciou os outros músicos: Nicolás Guerschberg (piano), Mariano Sivori (contrabaixo), Martin Pantyrer (clarinete-baixo), Damián Fogiel (sax-tenor) e Gustavo Musso (saxes alto e soprano). O show começou com "Lunfardo", seguido de "Primavera Porteña". Estrearam uma versão para "Milonga for Three", que fizeram para Paquito D'Rivera.

Na sequencia, veio o tema "Escualo" - com direito a uma parte de quarteto em livre improviso - , e depois "Milonga El Rey", um momento suave, triste e de muita beleza. Depois foi a vez de um dos temas mais conhecidos de Astor, "Libertango", com belos solos de Gustavo Musso no sax-alto e de 'Pipi' Piazzolla. Fazem os agradecimentos às autoridades presentes e anunciam o último tema, "Adios Nonino", com belíssima introdução de Nicolás Guerschberg no piano.

Foram ovacionados e nem chegam a sair pois o público os aplaudia de pé. Então, retornaram para um número mais, com o maravilhoso tema "Oblivion". Um arraso! Os bailarinos de tango junto com brasileiros, autoridades argentinas, e os devoradores de livros da feira, todo mundo estava extasiado. Eles presenciaram um momento difícil de repetir; era para se empolgarem mesmo. Também voltei para casa de alma lavada! Mas antes, fui garimpar livros...

Quando me despedi do Escalandrum no Miranda em julho, eles estavam indo para Barcelona, onde também foram muito aplaudidos. Nesta semana, tocam no Thelonious em Buenos Aires, depois visitam a região del Chaco e tocam no Chile, em Santiago. Os Piazzolla viajam bastante! Espero vê-los de novo em Buenos Aires no ano que vem ou quem sabe voltam ao Rio antes disso?


INTERNET

YouTube - Escalandrum
Wikipedia
Spotify


DISCOGRAFIA

Bar Los Amigos (2000), Estados Alterados (2002), Sexteto en Movimiento (2004), Misterioso (2006), Visiones (2008), Piazzolla Plays Piazzolla (2011), Vertigo (2013), Las Cuatro Estaciones Porteñas - Proyecto Eléctrico (2014).

Topo da página | Envie a um amigo | Voltar para Colunas

 
copyright clube de jazz 2004  
cadastre-se   termos de uso   contato   sobre nós